Últimas
É NOTÍCIA: ANCAF quer GIRABOLA ser emitido em formato live streaming

É NOTÍCIA: ANCAF quer GIRABOLA ser emitido em formato live streaming

É NOTÍCIA: Elizabeth Dongua, melhor marcadora do ‘Nacional’, ruma para o andebol congolês

É NOTÍCIA: Elizabeth Dongua, melhor marcadora do ‘Nacional’, ruma para o andebol congolês

É NOTÍCIA

É NOTÍCIA: Hilal do Sudão pode estar a fazer jogo de bastidores para vencer Petro

É NOTÍCIA: Hilal do Sudão pode estar a fazer jogo de bastidores para vencer Petro

É NOTÍCIA: ‘GUERREIROS’ falham Pan-Africano no Ghana por não inscrição

É NOTÍCIA: ‘GUERREIROS’ falham Pan-Africano no Ghana por não inscrição

É NOTÍCIA: Clubes deixam de pagar árbitros na 2ª volta do Girabola 2023-24

É NOTÍCIA: Clubes deixam de pagar árbitros na 2ª volta do Girabola 2023-24

É NOTÍCIA: Fala-se que já há um acordo verbal entre o Petro de Luanda e jogador do clube militar

É NOTÍCIA: Fala-se que já há um acordo verbal entre o Petro de Luanda e jogador do clube militar

É NOTÍCIA: Herlander Coimbra alerta que «Não há lançadores na Selecção que vai à Tunísia»

É NOTÍCIA: Herlander Coimbra alerta que «Não há lançadores na Selecção que vai à Tunísia»

É NOTÍCIA: A FAF irá melhorar salário de Pedro Gonçalves nos próximos dias

É NOTÍCIA: A FAF irá melhorar salário de Pedro Gonçalves nos próximos dias

É NOTÍCIA: Atraso na aprovação da “Lei Antidopagem” pode excluir Angola de competições internacionais

É NOTÍCIA: Atraso na aprovação da “Lei Antidopagem” pode excluir Angola de competições internacionais

É NOTÍCIA: Salima Mukansanga eleita para ajuizar jogos da Copa do Qatar.


É, certamente, um marco que fica nos anais da história do futebol mundial. A FIFA escolheu hoje, quinta-feira, 19, as juízas. Porém, Entretanto, o continente africano estará representado pela árbitra Salima Mukansanga de nacionalidade rwandesa.

Seleçcões tornam-se históricas, pois nunca foram escolhidas mulheres para ajuizar duelos na prova masculina.

As árbitras Stephanie Frappart (França), Salima Mukansanga (Rwanda) e Yoshimi Yamashita (Japão) foram nomeadas pela FIFA para dirigem jogos do Mundial’2022, anunciou, esta quinta-feira, o organismo que tutela o futebol à escala global.

«A nomeação é o resultado de um longo processo iniciado há vários anos, que começou com a indicação de árbitras para certas competições masculinas de seniores e de jovens», justificou o presidente da Comissão de Árbitros, Pierluigi Colina.

As nomeações de Stephanie Frappart, Salima Mukansanga e Yoshimi Yamashita, as únicas mulheres presentes na lista de 36 juízes principais, configuram algo inédito, dado que nunca foram escolhidas mulheres para ajuizar duelos na prova masculina.

A presença feminina não fica por aqui. Neuza Back (Brasil) Karen Díaz Medina (México) e Kathryn Nesbitt (Estados Unidos) são três das 69 árbitras assistentes. Apenas a função de VAR não será desempenhada por qualquer mulher.

De fora das escolhas feitas pela FIFA, que contemplam 129 oficiais, ficaram, tal como em 2018, ano do anterior Campeonato do Mundo, os árbitros portugueses. As representações mais recentes foram feitas por Pedro Proença, atual presidente da Liga, no Mundial’2014 (Brasil), e por Olegário Benquerença, em 2010, na África do Sul.

No Mundial do Japão/Coreia do Sul (2002) e em França (1998) esteve Vítor Pereira e, em Itália, em 1990, e no México, em 1986, a arbitragem portuguesa foi representada por Carlos Valente, após António Garrido ter apitado no Argentina’1978 e no Espanha’1982.

Recuando até ao início desta cronologia, Saldanha Ribeiro ajuizou no México’1970, Joaquim Campos no Inglaterra’1966 e no Suécia’1958, enquanto Vieira da Costa foi o primeiro português a apitar Mundiais, no caso o de 1954, decorrido na Suíça.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Powered by Live Score & Live Score App